*Por Rebeca Garcia de Paula

Orai sem cessar.
I Tessalonicenses 5:17

Essa prescrição do nosso “Grande Médico”, o Senhor, parece tão pequena e simples, mas, na verdade, ela é ao mesmo tempo complexa e profunda.

O que é orar? De forma simples, mas não simplista, podemos dizer que é “falar com Deus”. Aprofundando um pouco mais, diria que é abrir nosso coração a Ele, desnudando a nossa alma aos seus pés. E o que será “orar sem cessar”? Se eu perguntar para minha filha de cinco anos, provavelmente ela me dirá que é “começar uma oração que não tem fim” (risos). Contudo, o sentido aqui é o de termos uma vida de constante oração”, ou seja, estarmos sempre em conexão com nosso Deus, independentemente da atitude que tomamos, de fechar os olhos para não nos distrair. Em outras palavras, seria uma vida de oração – e está aí a complexidade do receituário!

O que fazemos em público, inclusive para ensinar nossos filhos, como orar ao levantar, antes das refeições e ao dormir, é uma pequena amostra do que deve ser esse estilo de vida. Jesus nos ensinou também uma “vida secreta” de oração, como está escrito em Mateus 6:6 “Tu, porém, quando orares, entra no teu quarto e, fechada a porta, orarás a teu Pai, que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará”. E pra ilustrar seu ensino sobre a oração, o que Ele, nosso Mestre, fez? Ele OROU! Dando-nos um modelo de oração a ser seguido, conhecida como o “Pai Nosso” (Mateus 6:9-13). Ele nos deu o exemplo de que a oração é o que precisamos fazer. Não basta conhecermos sobre o assunto, ou simplesmente estudá-lo, precisamos colocá-lo em prática, tanto de forma individual quanto coletiva.

E qual seria uma aplicação desse tema neste momento atual? Qual o papel da oração em meio à esta pandemia? O cerne da questão é onde está nossa confiança. Ter uma vida de oração significa depender de Deus nos mínimos detalhes, e depositar nele toda a nossa esperança. Isso é um remédio para a ansiedade, a qual tem a sua raiz na incredulidade e na expectativa de solucionar os próprios problemas sozinho. Orar é um ato de fé! “Ora, a fé é a certeza de coisas que se esperam, a convicção de fatos que se não vêem” (Hebreus 11:1). Pela fé estamos vendo tantas maravilhas nesses dias; pessoas glorificando a Deus após suas experiências de “quase morte” com essa doença, recebendo de volta a vida, de forma física e espiritual! Aliás, estudos nacionais e internacionais têm demonstrado a eficácia da oração para o bem-estar do paciente. Isso só corrobora com o que já cremos! Você “crê para ver”? Ou precisa “ver para crer”?

Gostaria de incentivá-lo a seguir essa receita, ainda que complexa, comece de forma simples, talvez com uma agenda para lembrar os motivos de oração, incluindo não somente os seus, como também aqueles que compartilharem com você. Aprofunde cada vez mais nesse relacionamento com Deus. Descreva as respostas que virão, pois certamente vivenciarás o que o salmista declarou: “Amo o Senhor, porque Ele ouve a minha voz e as minhas súplicas” (Salmo 116:1). Que tal começar hoje?

Deixe um comentário

O seu email não pode ser publicado.