*Por Inez Augusto Borges

Já mencionei em palestras (e acredito que até mesmo em textos anteriores) um artigo que li, a mais de quarenta anos atrás, cujo título era o mesmo ou semelhante ao escrito acima. O título do artigo chamava ainda mais a atenção porque estava acompanhado da imagem de um martelo quase acertando o dedo de alguém que segurava um prego. Evidentemente, o texto sugeria que ninguém dá graças a Deus quando, ao tentar martelar um prego, acerta o próprio dedo.

Eu não me lembro de nenhuma passagem bíblica relacionada a este texto. Não sei quem o escreveu. Não me lembro nada além do título e da imagem. Mesmo assim, eu não me sentiria bem escrevendo um artigo com este título sem fazer referência à esta publicação, pois ela realmente marcou minha vida.

Creio estarmos vivendo em um destes momentos. Aliás, estamos em um momento que faria parecer infantil a referência a situações indesejadas e imprevistas como marteladas no dedo. Estamos vivendo um momento no qual realmente parece muito, muito difícil dar graças a Deus. E, se está difícil para os adultos, como então ensinar às crianças esta atitude de gratidão por este momento na história da humanidade?

Meu desejo aqui não é ajudar os pais a encontrarem motivos para serem gratos a Deus. Não estou querendo ajudá-los a se lembrarem do “Jogo do Contente”, do livro da história da Poliana, se bem que esta seria uma boa leitura para estes dias.

O que pretendo fazer com este texto é apenas ajudar pais cristãos a se lembrarem e, então, ensinarem aos seus filhos, que Deus é Senhor de todas as coisas e que Ele inspirou seu servo Paulo a escrever que em tudo devemos dar graças. Ele nos ensinou que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que são chamados segundo o seu propósito. A Palavra sacrossanta e eterna de Deus nos ensina que devemos nos alegrar no Senhor, e não nas coisas que Ele nos concede. Saúde, bens materiais, filhos, trabalho, casa e, finalmente, a nossa própria vida, tudo isso simplesmente são dádivas que Ele nos concede e às quais não temos nenhum direito. Portanto, não temos nenhum direito de reclamar quando as perdemos.

É por isso que este é um bom momento para aprendermos a dar graças a Deus por tudo. Se aprendermos, poderemos ensinar à próxima geração aquilo que nossos irmãos do passado aprenderam em situações que sequer podemos imaginar em nossos dias: nada pode nos separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus. Nem a morte, nem a vida, nem coisas do presente ou do porvir; nem altura, nem abismo, nem principados ou potestades. E, portanto, nem mesmo um vírus poderá nos separar do amor de Deus, que está em Cristo, nosso Senhor.

Que Cristo seja realmente o Senhor de cada um destes dias que temos que passar em recolhimento. Que louvemos a Deus por esta situação, não apesar dela. Que Cristo seja glorificado em nós, na medida em que nos alegramos nele, como diz nosso irmão John Piper.

Deus é Senhor. Ele é o criador de todas as coisas e nunca é pego de surpresa em nenhuma circunstância. Deus não foi pego de surpresa nesta situação que enfrentamos, juntamente com outros povos e nações do planeta. Se Deus não dormita nem dorme, se Ele não foi pego de surpresa, então, Ele permitiu. E se Ele permitiu, Ele tem um propósito e seus propósitos jamais serão frustrados.

Vamos aproveitar para ensinar aos nossos filhos e netos um pouco mais sobre o Senhorio de Cristo. A nossa geração é culpada de não ter levado a sério esta doutrina. Temos tratado com Deus como amigo, como salvador e até mesmo como alguém que deve atender nossos caprichos. Mas não foi para isso que Cristo morreu e ressurgiu. Paulo nos ensina, na carta aos Romanos: “foi precisamente para este fim que Cristo morreu e ressurgiu: para ser Senhor, tanto de mortos, quanto de vivos”.

 

    3 respostas para "Quando parece impossível dar graças a Deus"

    • Paula Bianchi Romer

      Muito bom e oportuno

    • Loide Moura

      Que texto abençoador querida Inêz. Rogo a Deus que continue capacitando você e usado tua vida para a honra e glória Dele.

    • Vasco

      Prof. Inez, tudo em paz?

      Mensagem muito oportuna. Momentos como esse são oportunidades para refinarmos a nossa compreensão sobre a grandiosidade de Deus. Ele é o Deus do livramento porque é o Deus das calamidades. Não precisamos defender a bondade de Deus em momento algum, pois Ele continua sendo bom, e temos esperança porque cremos que os seus decretos são perfeitos.

      Continuemos em oração.
      Grande abraço!

Deixe um comentário

O seu email não pode ser publicado.